Natal Card - Gif Agosto

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

09/01/2015 09h56

Preço da construção encareceu 6,2% em 2014, aponta IBGE

Os resultados de 2014 apontam uma variação de 4,9% para os materiais. Já o acumulado da parcela do custo referente aos gastos com mão de obra registrou alta de 7,74%

notícias relacionadas

O brasileiro pagou mais caro para construir em dezembro. No mês passado, a inflação da construção ficou em 0,65%, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa é superior à registrada em novembro, de 0,2%. Com isso, o ano de 2014 fechou em 6,2%.

A parcela de materiais, com variação de 0,49%, registrou aceleração de 0,56 ponto percentual comparada com o mês anterior. A mão de obra ficou em 0,84%, o que significa um crescimento de 0,32 ponto percentual em comparação a novembro (0,52%). Por metro quadrado, o custo nacional passou de R$ 907,43 (novembro) para R$ 913,32 (dezembro), sendo R$ 497,37 relativos às despesas com materiais e R$ 415,95 com a mão de obra.

Os resultados de 2014 apontam uma variação de 4,9% para os materiais. Já o acumulado da parcela do custo referente aos gastos com mão de obra registrou alta de 7,74%. Em 2013, a parcela dos materiais aumentou 4,48% e a mão de obra passou a custar 3,94% menos devido à desoneração sobre a folha de pagamentos. Assim, por metro quadrado, as despesas com materiais chegaram a R$ 497,37 em dezembro, enquanto a parcela da mão de obra fechou o ano em R$ 415,95.

Regiões e estados

O Sudeste apresentou a maior aceleração no custo, com 0,96%, e também o acumulado mais elevado, 6,61%. As demais variações foram de 5,88% no Norte; 5,62% no Nordeste; 6,11% no Sul e 6,6% no Centro-Oeste.

Quanto aos custos da construção, as regiões ficaram com os seguintes valores por metro quadrado: R$ 922,27 (Norte); R$ 851,61 (Nordeste); R$ 954,31 (Sudeste); R$ 927,22 (Sul) e R$ 927,03 (Centro-Oeste).

Minas Gerais foi o estado que ficou com a maior taxa mensal, 3,75%, devido à pressão exercida pelo reajuste salarial decorrente de acordo coletivo. Rio Grande do Norte e Piauí, também captando acordo coletivo, apresentaram a segunda e terceira maiores taxas no mês, respectivamente de 3,58% e 3,23%. Já o Amapá e Tocantins tiveram as menores taxas, de -0,78% e -0,56%, respectivamente.

Fonte: Fecomércio RN


0 Comentário

Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo