Natal Card - Gif Agosto

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

29/05/2013 08h44

Banco Central define nesta quarta-feira a Taxa Básica de Juros (Selic)

Apesar do baixo crescimento da economia, a expectativa de alta na Selic deve-se à inflação

notícias relacionadas

O crescimento da economia em ritmo lento e a inflação em alta, além do cenário externo, serão debatidos pela diretoria do Banco Central (BC) para definir a taxa básica de juros, a Selic.

Nesta quarta-feira, dia 29, o Comitê de Política Monetária (Copom), formado pelo presidente e diretores do BC, vai anunciar a taxa Selic, atualmente em 7,5% ao ano.

De acordo com avaliação do diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, o Copom não poderá ser muito agressivo no aumento dos juros porque a economia cresce pouco. "Todas as revisões de crescimento do PIB [Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos no país] são para baixo", destacou.

A previsão da Anefac, por exemplo, passou de 3% para 2,5%. A estimativa do mercado financeiro, consultado pelo BC, tem sido reduzida há duas semanas seguidas e está em 2,93%.
Para Oliveira, apesar de o crescimento da economia esperado para este ano ser maior que em 2012 (0,9%), não dá para comemorar porque a expansão será menor que o potencial e está abaixo de outros países emergentes.

A perspectiva do diretor da Anefac é que o BC mantenha a estratégia de aumento gradual da taxa Selic, com nova alta de 0,25 ponto percentual, como ocorreu em abril. Essa também é a mediana (desconsidera os extremos nas projeções) das expectativas de analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central.

Apesar do baixo crescimento da economia, a expectativa de alta na Selic deve-se à inflação "muito pressionada", segundo Oliveira. Mas, de acordo com ele, a expectativa é que a cada mês a inflação seja mais baixa.

Essa também é a avaliação do presidente do BC, Alexandre Tombini, que no último dia 21 disse que a inflação, depois de atingir picos no primeiro trimestre, começou a desacelerar e tende a continuar a cair nos próximos meses.

Tombini assegurou que os preços estão sob controle e que não há risco de o índice oficial fechar o ano acima do teto da meta (6,5%). O centro da meta é 4,5%.

O presidente do BC também disse que o novo ciclo de aumento na taxa Selic não vai interferir no crescimento da economia em 2013. Segundo ele, a atuação do Banco Central é compatível com a recuperação gradual da economia.

 

Fonte: Agência Brasil


0 Comentário

Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo