Natal Card - Gif Agosto

Tudo sobre economia, finanças, negócios e investimentos

números do RN

Indicadores

O histórico dos principais índices de inflação, moedas estrangeiras, tabelas de custas utilizadas pelo Judiciário e indicadores diversos estão disponíveis no site Debit, que oferece ainda ferramenta para o cálculo da variação percentual em determinado período.

Essas informações podem ser acessadas através do link: http://www.debit.com.br/consulta10.php

Emprego Formal no RN

Os números mais atualizados sobre o empregos formal no Rio Grande do Norte estão detalhados no gráfico abaixo, que apresenta os dados por setor do primeiro trimestre deste ano e comparativo entre 2010 e 2009.

PIB e PIB PER CAPITA

Em 2006, último dado disponível, o PIB do RN era cerca de R$ 20,5 bilhões, o quinto maior do Nordeste. O setor público, o comércio e serviços de reparação e a indústria extrativa mineral são os principais itens da economia local.

Em termos de dinamismo, o comércio varejista do Estado e o setor da construção civil, são os que apresentam elevadas taxas de crescimento nos últimos anos, sendo na média, bem mais ágeis do que seus congêneres no Nordeste e no Brasil.

Destaque também para o PIB Per Capita do RN, como o terceiro maior do Nordeste, tendo apresentado entre 2003 e 2006, o quarto maior crescimento do país e o segundo maior do Nordeste.

Tabela 1.1 – Produto Interno Bruto (PIB)
Ano: 2006 – R$ 1.000.000,00
Estados do Nordeste
Unidade da Federação Produto Interno Bruto - PIB
Bahia 96 559
Pernambuco 55 505
Ceará 46 310
Maranhão 28 621
Rio Grande do Norte 20 557
Paraíba 19 953
Alagoas 15 753
Sergipe 15 126
Piauí 12 790

Fonte: IBGE – Contas Regionais

Tabela 2.1 : Participação dos Setores no Valor Adicionado Bruto (%)
Rio Grande do Norte

Atividade Econômica

Participação %
Total
100,00
100,00¹ 100,00 100,00
Administração, saúde e educação públicas 25,81 26,13 25,29 25,88
Comércio e serviços de manutenção e reparação
12,73
11,89 11,33 12,77
Indústria extrativa mineral
10,17
7,45 8,03 10,22
Atividades imobiliárias e aluguel
8,29
10,08 9,18 8,83
Indústrias de transformação
6,97
7,50 7,08 7,38
Construção
5,78
4,81 7,61 5,77
Transportes, armazenagem e correio
3,73
4,07 4,19 4,03
Intermediação financeira, seguros e providência complementar
3,68
3,60 3,15 3,72
Pecuária e pesca
3,50
4,07 3,69 3,25
Serviços de informação
3,05
3,10 2,93 3,19
Serviços prestados às empresas
3,00
2,36 3,83 3,08
Agricultura, silvicultura e exploração florestal 2,86 3,95 3,47 2,35
Produção e distribuição de eletricidade e gás,
Água, esgoto e limpeza urbana
2,56
3,00 3,01 2,67
Serviços de alojamento e alimentação
2,50
1,92 1,70 1,73
Saúde e educação mercantis
1,99
2,75 2,36 1,86
Serviços prestados às famílias e associativos 1,97 1,94 1,80 1,87
Serviços domésicos
1,41
1,38 1,35 1,40

Fonte: IBGE – Contas Regionais

________________________________________
¹ Quanto o valor total divergir de 100,00 é em função de arredondamento.

Tabela 3.1: Índice de Crescimento do Volume do Valor Adicionado e Diferenças Entre os Ritmos de Crescimento (2002-2006)
Brasil X Rio Grande do Norte

Atividade Econômica
RN BRASIL
Diferença
(RN/BR)
%
Pecuária e pesca
18,96
132,2 111,2
Comércio serviços de manutenção e reparação
16,94
136,8 117,0
Serviços prestados às famílias e associativos
14,82
129,1 112,4
Construção 13,94 125,1 109,8
Agricultura, silvicultura e exploração florestal
12,06
128,4 114,6
Serviços domésticos 10,55 124,3 112,4
Produção e distribuição de eletricidade e gás, Água, esgoto e limpeza urbana
8,45
130,4 120,2
Transportes, armazenagem e correio 8,00 117,1 108,4
Serviços de alojamento e alimentação
7,61
131,8 122,5
Atividades imobiliárias e aluguel
0,13
115,9 115,8
TOTAL
-0,22
114,4 114,7
Administração, saúde e educação públicas
-0.35
111,2 111,6
Saúde e educação mercantis
-1,43
111,6 113,2
Intermediação financeira, seguros e providência complementar
-3,87
108,3 112,6
Serviços prestados às empresas
-4,72
114,0 119,6
Serviços de informação
-13,18
101,1 116,5
Indústrias de transformação
-15,51
95,6 113,1
Indústria extrativa mineral
-29,71
87,6 124,6

Fonte: Elaboração Própria com Dados do IBGE – Contas Regionais

Tabela 4.1 – Índice de crescimento do Volume do Valor Adicionado e Diferenças Entre os Ritmos de Crescimento (2002-2006)
Nordeste X Rio Grande do Norte

DIFERENÇA Atividade Econômica (RN/NE)
%
RN NE
Construção
13,76
125,1 110,1 125,1 110,1
Comércio e serviços de manutenção e reparação
11,01
136,8 123,2
Pecuária e pesca 10,99 132,2 119,1
Serviços prestados às famílias e associativos
10,79
129,1 116,5
Serviços de alojamento e alimentação
6,31
131,8 124,0
Transportes, armazenagem e correio
4,53
117,1 112,0
Produção e distribuição de eletricidade e gás,
Água, esgoto e limpeza urbana
4,11
130,4 125,3
Saúde e educação mercantis
4,05
111,6 107,2
Serviços domésticos
2,16
124,3 121,7
Administração, saúde e educação públicas
1,40
111,2 109,7
Atividades imobiliárias e aluguel
0,07
115,9 115,8
TOTAL
-3,76
114,4 118,9
Intermediação financeira, seguros e providência complementar
-8,54
108,3 118,4
Serviços prestados às empresas
-8,94
114,0 125,2
Serviços de informação
-10,17
101,1 112,6
Indústria extrativa mineral
-10,31
87,6 97,6
Agricultura, silvicultura e exploração florestal
-11,39
128,4 144,9
Indústrias de transformação
-22,79
95,6 123,8

Fonte: Elaboração Própria com Dados do IBGE – Contas Regionais

Tabela 5.1 – Evolução do PIB Per Capita – Valores Correntes (R$)
Brasil x Nordeste x Estados do Nordeste

Estado/Região 2003 2004 2005 2006
BRASIL 9.498 10.692 11.658 12.688
NORDESTE 4.355 4.899 5.499 6.029
Sergipe 5.718 6.289 6.824 7.560
Bahia 5.031 5.780 6.581 6.922
Rio Grande do Norte 4.626 5.260 5.950 6.754
Pernambuco 4.774 5.287 5.933 6.528
Ceará 4.145 4.622 5.055 5.636
Paraíba 3.998 4.210 4.691 5.507
Alagoas 3.805 4.324 4.688 5.164
Maranhão 3.112 3.588 4.151 4.628
Piauí 2.978 3.297 3.701 4.313

Fonte: IBGE – Contas Regionais

1.2 EMPREGO FORMAL

No período pesquisado, foram geradas no RN, 98.100 empregos formais, destacando-se os setores da construção civil (12,4 mil), do comércio (31,3 mil), da indústria têxtil e de confecção (11,7 mil).

O Rio Grande do Norte foi o quarto estado do Nordeste que mais gerou empregos formais no período, atrás apenas da Bahia, Pernambuco e Ceará, cujas economias e populações são bem superiores.

Com a crise que afetou todas as economias do mundo, o RN já começou a sentir seus efeitos sobre o mercado de trabalho nos meses finais do 2008 e início de 2009, com uma retratação de 10% no saldo de empregos de 2008 em relação a 2007.

Tabela 6.1 Evolução Anual do Saldo de Empregos Formais
Brasil x Nordeste x Rio Grande do Norte

BR, NE e UF 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 TOTAL
BRASIL 762.414 645.433 1.523.276 1.253.981 1.228.686 1.617.392 1.452.204 8.483.386
NORDESTE 130.434 84.104 187.597 197.014 166.866 204.310 203.617 1.173.942
BA 37.298 26.502 52.724 63.952 25.089 58.720 40.922 305.207
PE 17.173 13.829 37.426 40.230 38.885 46.348 52.800 246.691
CE 30.831 18.645 31.240 30.875 33.560 39.722 41.441 226.314
RN 10.756 7.080 17.992 18.396 15.341 15.004 13.531 98.100
MA 3.242 6.093 10.039 12.882 13.732 16.178 19.344 81.510
PB 7.160 12.713 10.768 13.076 12.157 9.895 62.417 3.352
SE 10.836 2.482 9.891 7.644 7.588 8.785 11.038 58.264
AL 7.812 10.872 9.682 5.705 12.055 505 3.322 48.943
PI 5.326 1.953 5.890 6.562 7.540 7.901 11.324 46.496

FONTE: Ministério do Trabalho e Emprego – CAGED.

COMÉRCIO VARESJISTA

O comércio varejista do RN se mostrou, no período enfocado, um dos mais dinâmicos do país, com índices semelhantes à economia chinesa, apresentando um volume de vendas com crescimento de 81% - acima do Brasil e do Nordeste, atingindo o quinto mais elevado percentual de crescimento do país.
Já em relação ao comércio varejista ampliado – que inclui também o comércio de material de construção e de veículos e peças – o crescimento do volume de vendas no período, foi 144%, registrando o nono maior crescimento do país.

Tabela 7.1: Variação Anual do Volume de Vendas do Comércio Varejista
(%)
Brasil e Rio Grande do Norte

Ano Brasil Rio Grande do Norte
2002 -0,70 1,57
2003 -3,67 -8,25
2004 9,25 11,91
2005 4,84 23,59
2006 6,16 9,58
2007 9,68 8,22
2008 9,13 10,99

Fonte: IBGE – Pesquisa Mensal do Comércio (PMC).

CONSTRUÇÃO CIVIL

Com um dos menores custos de construção do país – o terceiro mais baixo do Brasil e o segundo mais baixo do Nordeste – a construção civil do RN experimentou forte expansão no período retratado,constituindo-se o fato, vantagem competitiva para o RN, em relação aos outros estados do Brasil.

Em resposta a esse baixo custo e a dinamização da economia local, o consumo de cimento no RN – um dos indicadores da expansão do setor – vem crescendo em ritmo anual superior a 13% desde 2005.

Tabela 8.1: Ranking do Custo Médio da Construção Civil – R$/M²

Unidade da Federação VALOR (R$)
Roraima 744,08
São Paulo 746,96
Rio de Janeiro 745,83
Amazonas 707,27
Distrito Federal 701,60
Tocantins 700,58
Acre 688,47
Paraná 675,12
Santa Catarina 665,62
Alagoas 663,89
Amapá 660,85
Rio Grande do Sul 659,99
Pará 655,61
Bahia 651,50
Mato Grosso 649,62
Minas Gerais 647,82
Mato Grosso do Sul 646,91
Maranhão 643,49
Rondônia 633,76
Pernambuco 633,33
Goiás 626,50
Ceará 617,35
Piauí 614,87
Paraíba 614,73
Rio Grande do Norte 604,83
Sergipe 603,86
Espírito Santo 600,70

Fonte: IBGE – Sistema Nacional de Pesquisa de Índices e Custos da Construção Civil.

TURISMO

Natal possui o quarto mais importante aeroporto da região Nordeste em volume de passageiros, atrás apenas de Salvador, Recife e Fortaleza. No período 2004-2007, nos vôos internacionais, o aeroporto de Natal apresentou uma movimentação de passageiros superior ao de Recife, colocando o Estado como a terceira mais importante porta de embarque e desembarque de passageiros internacionais, naquele período.

Outro indicador importante é que, no acumulado do período pesquisado, passaram pelo aeroporto internacional do RN cerca de 1,16 milhões de passageiros (embarque + desembarque), registrando o terceiro maior volume entre os aeroportos do Nordeste, respondendo o RN por 20% do volume de passageiros de vôos internacionais nos aeroportos das capitais do Nordeste.

O turismo no RN, medido pelo volume de passageiros que passam pelo aeroporto de Natal, apresenta-se como uma atividade bastante dinâmica, tendo no período pesquisado, registrado um crescimento de 88%, índice superior ao registrado pelos três principais concorrentes no Nordeste (Salvador, Recife e Fortaleza).

O Rio Grande do Norte também foi o principal destino dos investimentos estrangeiros realizados por pessoas físicas no Brasil, demonstrando no acumulo entre janeiro de 2007 a setembro de 2008, valores em torno de US$ 45 milhões, destacando-se como o maior volume investido entre os estados brasileiros.

Tabela 9.1: Movimentação de Passageiros (Embarque + Desembarque) Vôos Domésticos
Aeroportos das Capitais do Nordeste

Aeroporto 2003 2004 2005 2006 2007 2008
Aracaju 330.834 322.047 490.155 589.635 691.636 669.777
Fortaleza 1.712.333 2.064.974 2.524.606 3.014.698 3.345.344 3.222.883
João Pessoa 235.778 232.333 339.128 415.255 500.547 448.440
Maceió 511.677 632.651 740.610 846.203 917.170 934.951
Natal 773.464 943.231 1.054.050 1.142.767 1.358.986 1.479.256
Recife 2.610.032 3.023.254 3.422.657 3.781.895 4.010.932 4.460.031
Salvador 3.319.329 3.864.425 4.292.989 5.051.055 5.507.653 5.656.705
São Luís 393.292 514.688 569.258 738.658 899.299 870.421
Teresina 210.762 244.461 315.780 380.440 484.492 466.034
Total 10.098.138 11.842.064 13.749.233 15.960.606 17.716.059 18.208.498

Fonte: INFRAERO.

Tabela 10.1: Movimentação de Passageiros (Embarque + Desembarque) Vôos Internacionais
Aeroportos das Capitais do Nordeste

Aeroporto

2003 2004 2005 2006 2007 2008
Aracaju 329 444 145 84 4 -
Fortaleza 156.366 252895 249.634 268.281 268.290 242.908
João Pessoa 23 1 27 393 - 4
Maceió 24.632 23.453 24.972 24.790 20.135 22.793
Natal 101.687 184.721 245.094 249.189 218.823 164.113
Recife 123.392 150.418 181.995 171.950 177.149 219.426
Salvador 135.228 280.946 261.583 374.692 412.653 385.602
São Luís 143 284 184 2.258 1.058 363
Teresina 120 - 16 - - -
Total 541.920 893.162 963.650 1.091.637 1.098.112 1.035.209

Fonte: INFRAERO.

ENERGIA

Tabela 11.1: Produção Anual de Gás Natural – em 1.000 Metros Cúbicos
Rio Grande do Norte

ANO Produção

2000

1.265.250

2001

1.197.658

2002

1.360.293

2003

1.268.904

2004

1.365.579

2005

1.316.530

2006

1.180.652

2007

1.078.922

2008

927.575

Fonte: Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Tabela 12.1: Produção Anual de Petróleo (em Barris de Petróleo – b)
Rio Grande do Norte

ANO

Produção
2000 31.756.952
2001 29.584.532
2002 28.847.849
2003 28.575.487
2004 29.092.630
2005 27.183.927
2006 24.166.098
2007 22.817.373
2008 22.331.784

Fonte: Agência Nacional do Petróleo (ANP).

EXPORTAÇÕES

O salda da balança comercial do RN (comércio exterior), foi um dos poucos entre os estados do Nordeste a manter um resultado positivo de 2008 em relação a 2007.

Tabela 13.1: Evolução das Exportações – US$ 1.000 FOB

UF 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008
BA 2.412.278 3.260.882 4.066.036 5.989.260 6.773.299 7.408.729 8.698.664
MA 652.387 739.802 1.231.094 1.501.053 1.712.702 2.177.155 2.836.303
CE 545.023 762.603 861.568 933.589 961.874 1.148.357 1.276.970
PE 319.996 411.137 517.549 786.051 781.046 870.557 937.633
AL 298.651 360.941 457.753 583.877 692.596 663.762 877.500
RN 223.718 310.551 573.836 413.712 372.011 380.128 348.091
PB 117.818 168.652 214.280 228.437 209.391 236.143 227.705
PI 48.065 58.695 73.377 58.680 47.204 56.654 136.962
SE 37.630 38.847 47.792 66.482 79.002 144.760 111.677
NE 4.655.566 6.112.110 8.043.285 10.561.141 11.629.125 13.086.245 15.451.505
BR 60.438.653 73.203.222 96.677.497 118.529.184 137.807.470 160.649.073 197.942.443

Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Infográficos

Fonte: Elaboração Própria com Dados do IBGE – Contas Regionais


Av. Senador Salgado Filho, 2190 - Ed. Portugal Center - 207/209 - Fone: (84) 3206-9578
2010 ® Portal Mercado Aberto. Todos os direitos reservados.
ponto criativo